14 de mai de 2016

Licença prévia da UTE Ouro Negro deverá ser emitida neste mês

Tendo o documento, o projeto da ONE S/A estará apto a disputar os leilões de energia 

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) deverá emitir a licença prévia (LP) da Usina Termelétrica Ouro Negro ainda em maio. Empresa responsável pelo empreendimento, que está projetado para ser constru-ído em Pedras Altas, a Ouro Negro Energia S/A (ONE S/A) foi informada pelo órgão que os técnicos do instituto já encaminharam o documento para a diretoria do Ibama chancelar e emitir a LP. Com isso, o projeto da UTE Ouro Negro, avaliado em mais de R$ 4 bilhões, estará apto a participar dos leilões de energia. 

No dia 29 de abril deste ano, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) realizou o primeiro Leilão de Geração de Energia A-5. Nenhuma das cinco termelétricas a carvão habilitadas para participar do certame tiveram projetos contratados. O presidente ONE S/A, Silvio Marques Dias Neto, comenta que já era previsto a não contratação de energia a carvão, uma vez que o preço de referência estabelecido para o certame não foi convidativo para as térmicas. O valor inicial estipulado pelo governo federal variou de R$ 251 o megawatt-hora para projetos a biomassa e a carvão a R$ 290 para gás natural. Esse foi um dos motivos que levou a empresa desistir de participar do leilão dias antes da sua realização. Primeiramente, a ONE S/A optou por não disputar porque o projeto da UTE ainda não conta com a LP, sendo esse um dos requisitos fundamentais. 

Silvio acredita que, com a melhora da atividade econômica e a falta de chuvas no Sudeste do país, poderá ser realizado outro leilão do segundo semestre deste ano. “Estaremos prontos para participar”, afirma. 

 A nova usina a carvão mineral contará com dois geradores de 300 megawatts cada. Cerca de quatro mil empregos diretos deverão ser criados durante a construção do empreendimento e 500 quando o mesmo estiver em operação. 

LEILÃO DE RESERVA – A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) cadastrou 428 projetos para o 1º Leilão de Energia de Reserva (1º LER 2016), marcado para 29 de julho. Ao todo, esses projetos representam oferta de 10.195 megawatts de potência instalada. Empreendimentos de energia solar fotovoltaica se destacaram no cadastramento, totalizando 9.210 MW da energia ofertada, em 295 projetos. Também se inscreveram 73 Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), com 889 MW; e 60 Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs), com 96 MW. Agora os projetos passarão pela fase de habilitação. 

A energia de reserva é destinada a aumentar a segurança no fornecimento de energia elétrica ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Essa energia adicional é contratada por meio de leilões de reserva e busca restaurar o equilíbrio entre as garantias físicas atribuí- das às usinas geradoras e a garantia física total do sistema, sem que haja impacto nos contratos existentes e nos direitos das usinas geradoras. A contratação dessa energia tem por objetivo, ainda, reduzir os riscos de desequilíbrio entre a oferta e demanda de energia elétrica. Tais riscos decorem, principalmente, de atrasos imprevisíveis de obras, ocorrência de hidrologias muito críticas e indisponibilidade de usinas geradoras. Conforme Silvio, esse tipo de certame não contempla usinas a carvão.

0 comentários: